Sociedade para o Desenvolvimento Empresarial dos Açores, EPER
 
 

Ver Também
Rede de Incubadoras de Empresas dos Açores
Accelerate Azores
Plano Estratégico para o Fomento do Empreendedorismo na Região Autónoma dos Açores 2013-2016
Empreende Açores
      Enquadramento
      Empreende Açores - Edição 2016
Concurso Regional de Empreendedorismo
      Formulário de
      Candidatura
      Enquadramento
      Resumo CRE 2016
      FAQ´s
Manual do Empreendedor
      Testemunhos Empreendedores

Rede de Incubadoras de Empresas dos Açores

Procedimento de adesão à Rede de Incubadoras de Empresas dos Açores

O que é a Rede de Incubadoras

Entende-se por incubadoras os espaços de acolhimento e apoio a empreendedores na criação e instalação de empresas.

As incubadoras assumem-se, assim, como estruturas facilitadoras das empresas no decurso da fase inicial da sua implementação, proporcionando um conjunto de serviços e de apoios aos seus promotores, constituindo-se como parceiros ativos na gestão do negócio.

As incubadoras são igualmente identificadas como estruturas decisivas para a articulação entre as políticas dirigidas à economia, de iniciativa do poder regional ou local, o conhecimento desenvolvido nas universidades e a sua aplicação comercial através de iniciativas empresariais.

Considerando os condicionalismos decorrentes da condição insular e ultraperiférica dos Açores, nomeadamente a sua dispersão geográfica e baixa densidade populacional, na maioria das suas ilhas, julga-se inquestionável a necessidade de, em termos de estratégia de apoio ao desenvolvimento económico regional, adotar uma abordagem de base local.

Esta abordagem deverá estar centrada em estratégias locais de desenvolvimento, as quais correspondem a modelos de desenvolvimento para o território em intervenção, sustentado na participação dos agentes locais, com vista a dar resposta às suas necessidades através da valorização dos seus recursos endógenos.

Nesta estratégia assume um papel preponderante a criação de incubadoras de base local, as quais destinam-se a incentivar a criação e consolidação de novas empresas locais, perspetivando a promoção de um empreendedorismo gerador de desenvolvimento económico e social.

Por outro lado, atendendo a que os futuros parques de Ciência e Tecnologia dos Açores irão constituir o núcleo do processo de transição da economia açoriana para uma economia baseada no conhecimento, assente numa articulação de proximidade com a Academia, e que albergarão incubadoras de base tecnológica, tornou-se necessário definir o presente modelo de articulação entre este tipo de incubadoras de base tecnológica e as incubadoras de base local.

Considera-se, por conseguinte, indispensável a construção de uma rede que interligue as diferentes incubadoras, de base tecnológica e de base local, por forma a, em conjunto,disponibilizarem todos os recursos adequados ao papel que devem assumir na estratégia de desenvolvimento dos Açores.

O modelo da Rede de Incubadoras de Empresas dos Açores assenta em quatro componentes:

i) Coordenação estratégica da Rede pela SDEA;

ii) Coordenação operacional pelo BIC Azores;

iii) Incubadoras de Base Tecnológica de referência, com forte articulação com o SCTA, para que a investigação aplicada e o conhecimento produzido tenha uma aplicação empresarial;

iv) Incubadoras de Base Local assentes em lógicas de desenvolvimento local.

A coordenação estratégica, a cargo da SDEA, compreende a articulação entre as políticas de desenvolvimento regional e as políticas de desenvolvimento local, garantindo assim uma visão integrada daquelas e a cooperação entre as diversas estruturas de apoio à criação de empresas, numa ótica de um modelo de desenvolvimento assente no conhecimento e nos recursos endógenos dos Açores.

Nesses termos, o Modelo da Rede de Incubadoras de Empresas dos Açores é esquematizado da seguinte forma:

A Rede de Incubadoras de Empresas dos Açores encontra-se regulamentada pela Resolução do Conselho do Governo n.º 11/2015, de 12 de janeiro e pelo Despacho n.º 1809/2015, de 17 de agosto da Vice-Presidência do Governo, Emprego e Competitividade Empresarial.

Como aderir à Rede de Incubadoras

Os critérios de adesão à Rede de Incubadoras de Empresas dos Açores, bem como os formulários de candidatura encontram-se definidos no Despacho n.º 1809/2015, de 17 de agosto, da Vice-Presidência do Governo, Emprego e Competitividade Empresarial.

Para além da obrigatoriedade de entrega de uma Estratégia Local de Desenvolvimento para o caso das incubadoras de base local ou de um Plano Estratégico para o caso das incubadoras de base tecnológica ou de elevada especialização, podem ainda anexar-se todos os documentos que se entenda contribuírem para a valorização da candidatura, fazendo-se disso referência no ponto Anexar Documentos - Outros, do formulário de candidatura.

Aceder aos formulários

FAQ´s

1 – O que se entende por incubadora?

São espaços de acolhimento e apoio a empreendedores na criação e instalação de empresas, no desenvolvimento de novos negócios durante o período de arranque, geralmente até 3 anos, capacitando as empresas e oferecendo serviços diversificados.

2 – O que se entende por incubadora de base local?

As incubadoras de base local inserem-se em Estratégias Locais de Desenvolvimento dinamizadas pelas Autarquias, por si só ou em parceria com Associações de Desenvolvimento Local (associação sem fins lucrativos, que tem como objecto social a promoção e o desenvolvimento económico-social de um concelho), em estreita articulação com os atores relevantes para o progresso económico do concelho, devendo constituir-se como uma estrutura central no desenvolvimento de um ecossistema local de empreendedorismo.

3 - O que se entende por incubadora de base tecnológica?

As incubadoras de base tecnológica inserem-se no domínio das actividades dos Parques de Ciência e Tecnologia dos Açores, bem como de entidades públicas especialmente vocacionadas para o desenvolvimento de sectores de elevada especialização, como é o caso das Indústrias Culturais e Criativas ou as ligadas à Economia do Mar, todas elas com um âmbito de atuação a nível regional.

4 – Quem pode apresentar candidaturas à Rede de Incubadoras de Empresas dos Açores?

No âmbito das incubadora de base local compete às Autarquias, por si só ou em parceria com Associações de Desenvolvimento Local (associação sem fins lucrativos, que tem como objecto social a promoção e o desenvolvimento económico-social de um concelho), em articulação com os atores relevantes para o desenvolvimento do concelho e de forma alinhada com a Estratégia Local de Desenvolvimento, apresentar candidatura à Rede de Incubadoras de Empresas dos Açores.

No âmbito das incubadora de base tecnológica ou de elevada especialização compete à entidade gestora do Parque de Ciência e Tecnologia ou a entidades públicas que prossigam actividades de elevada especialização, como as inseridas no domínio das indústrias culturais e criativas ou no domínio da Economia do Mar, em articulação com os atores relevantes para o desenvolvimento dos Açores, e de forma alinhada com os Planos Estratégicos daquelas entidades, apresentar candidatura à Rede de Incubadoras de Empresas dos Açores.

5 – As parcerias são valorizadas na análise da candidatura à Rede de Incubadoras de Empresas dos Açores?

Sim. As parcerias são altamente valorizadas, nomeadamente considera-se que a rede de incubadoras de empresas deverá ser constituída pelos diversos atores com papel relevante no desenvolvimento económico dos Açores, nomeadamente o Governo Regional, as Autarquias Locais, as associações empresariais, as associações de desenvolvimento local, a Academia e outras instituições de ensino, as empresas açorianas de referência e a sociedade civil, os quais deverão intervir de forma concertada nos seus diferentes domínios de atuação para fomentar a atividade empreendedora na Região e maximizar os resultados socioeconómicos daí decorrentes. Desse modo, tanto as Estratégias Locais de Desenvolvimento definidas pelas Autarquias, quanto o Plano Estratégico dos Parques de Ciência e Tecnologia e entidades públicas que prossigam actividades de elevada especialização, como as inseridas no domínio das indústrias culturais e criativas e da economia do mar, devem demonstrar quais as parcerias estabelecidas.

6 – Como nos podemos candidatar à Rede de Incubadoras de Empresas dos Açores?

Através do preenchimento de um Formulário de Adesão, Incubadoras de base local ou Incubadoras de base tecnológica.

7 – Existem critérios de selecção na adesão à Rede de Incubadoras de Empresas dos Açores?

Sim. Encontram-se definidos no Despacho n.º 1809/2015, de 17 de agosto.

8 – É obrigatório a entrega de uma Estratégia Local de Desenvolvimento para o caso das incubadoras de base local ou de um Plano Estratégico para o caso das incubadoras de base tecnológica ou de elevada especialização?

Sim. É condição necessária para adesão à Rede de Incubadoras de Empresas dos Açores.

Pode obter uma estrutura modelo de uma Estratégia Local de Desenvolvimento aqui.

 

 
 

porno porno indir